Leia 7 fatos contra o mito dos agrotóxicos, por Xico Graziano

link original da matéria: https://www.poder360.com.br/opiniao/congresso/assim-como-medicamentos-agrotoxicos-servem-a-evolucao-da-humanidade/
Data de publicação: 23 de maio de 2018

Chega de agrotóxicos. Assim bradam ambientalistas contra o “pacote do veneno”, conforme denominaram um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados. Vamos todos morrer envenenados?

Exagero puro. O assunto é delicado, tecnicamente complexo e exige atenção. Mas a paixão e o achismo deformam a questão. Aqui estão 7 fatos que ajudam a combater alguns mitos sobre os agrotóxicos.

Fato 1. Agrotóxicos não constam entre as principais causas de câncer no mundo. Segundo a Agência Internacional de Pesquisa de Câncer (IARC), órgão da Organização Mundial da Saúde/ONU, as 10 substâncias cancerígenas mais comuns são:

  1. tabaco
  2. fumo passivo
  3. poluição do ar
  4. exposição a raios ultravioleta
  5. fumaça de motores a diesel
  6. contato com formaldeídos
  7. uso dos hormônios progesterona e estrogênio
  8. álcool
  9. carne processada
  10. exposição ao gás radônio.

Fato 2. Certos agrotóxicos apresentam moléculas químicas com características carcinogênicas. É verdade. O mesmo ocorre com medicamentos. A Organização Mundial da Saúde categoriza 23 grupos deles como carcinogênicos para humanos. São remédios necessários no combate de enfermidades, mas podem causar tumores. Benefícios contra riscos.

Fato 3. Agrotóxicos são perigosos pois causam desequilíbrios nos ecossistemas. Correto. Antibióticos também. Seu uso descontrolado e intenso contra doenças humanas provocou o surgimento das superbactérias, que dizem matar cerca de 700 mil pessoas todo ano. Terrível.

Fato 4. Certos agrotóxicos podem matar pessoas. Com certeza. O Relatório de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos, do Ministério da Saúde, divulgado em 2016, comprova que 54,3% das 59.576 notificações de intoxicação por agrotóxicos – incluindo uso agrícola, doméstico, na saúde pública, raticidas e produtos veterinários – foram tentativas de suicídio. Horrível.

Fato 5. Os maiores problemas relacionados às intoxicações humanas por agrotóxicos ocorrem na aplicação em campo, não na alimentação. Desde os anos 1970, o uso correto de defensivos agrícolas é bandeira de luta dos engenheiros agrônomos. Embora preocupante, a situação melhorou.

Divulgados pelo professor Caio Carbonari, da UNESP em Botucatu, comprovam uma redução significativa do Quociente de Impacto Ambiental (EIQ), referente ao uso de agrotóxicos, entre 2002 e 2015, nas culturas de soja, milho, algodão e cana de açúcar: para o trabalhador rural, o risco de contaminação diminuiu 54,2%; para o consumidor a queda foi de 37% e, para o meio ambiente, de 33%. Ainda bem.

Fato 6. Olhe no rótulo que traz a composição química de sua água mineral preferida. Nele você encontrará sulfetos, nitratos e brometos. Todos eles expressam componentes químicos perigosos para a saúde humana. Mas não se apavore. Nos valores apresentados, são inofensivos.

A diferença entre o remédio e o veneno é a DOSE. Quem primeiro afirmou foi Paracelso, pseudônimo do alquimista suíço Phillipus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim (1493-1541).

Fato 7. Existem resíduos de agrotóxicos nos alimentos. Sim, em parte. Apenas 3% das amostras, nos últimos 15 anos, indicam superação dos níveis permitidos. Estes, entretanto, apresentam elevado grau de segurança. Tanto é que, no último relatório (2016) do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA/ANVISA) se conclui: “Deve-se levar em consideração a detecção de resíduos de agrotóxicos em concentrações muito baixas, que, à luz do conhecimento atual, podem não arretam risco à saúde”.

Conclusão: os agrotóxicos, também chamados de pesticidas ou defensivos agrícolas, quando utilizados de forma correta, são seguros. Assim como os medicamentos. Ambos, agrotóxicos ou remédios, têm servido à evolução da humanidade. E continuadamente sido aperfeiçoados, substituídos por produtos mais amigáveis aos humanos e ao meio ambiente.

Por que, então, os agrotóxicos são demonizados junto à opinião pública?

Fogem da ciência as explicações. Uma mistura de ecoterrorismo com esquerdopatia criou uma espécie de neurose – uma agrofobia – que enxerga nos agrotóxicos o mal sobre a Terra. Daí, agridem os produtores rurais, como se estes estivessem envenenando a população. Não é verdade.

Pode ser que, um dia, o avanço da ciência e da agronomia dispensem a utilização de defensivos químicos. Seria maravilhoso, os agricultores adorariam, pois custam caro tais produtos. Até lá, porém, devemos garantir que tais insumos sejam utilizados corretamente no controle de pragas e doenças agrícolas.

Categoria: Legislação