Agricultora do Paraná afirma que não há produção sem glifosato


10 de maio de 2019

Em sua propriedade de 100 alqueires em Goioerê, no Noroeste paranaense, a produtora rural Marilúcia Zamarian inclui em todo planejamento de safra a compra de herbicida a base de glifosato. “O uso do glifosato aumenta a produtividade e permite contribuir para a alimentação do planeta”, afirma Marilúcia. Administrando a fazenda, onde cultiva milho e soja, há duas décadas, ela destaca que uma queda na produção de grãos causará impacto em toda a sociedade porque eles são a base da produção de proteína animal e o glifosato é essencial para a colheita em grande escala. “Sabemos que para aumentar a nossa produtividade, o manejo com o glifosato é fundamental”, afirma.
Segundo a produtora rural, sem o uso do herbicida a produção em grande escala fica comprometida gerando um retrocesso na agricultura com impacto em toda a sociedade. “O milho e a soja, destacou Marilúcia, são a base da produção de proteína animal no esforço para saciar a fome do mundo”. A afirmação foi feita à reportagem do site Ciência e Tecnologia Agro, ao caminhar por sua fazenda ao lado de um agrônomo, profissional, que nunca dispensa na busca por maior produtividade. “Com profissionalismo, tecnologia e o herbicida certo, garantimos o potencial produtivo das lavouras”, conclui.

O testemunho de Marilúcia ocorre em meio a um ataque mundial ao glifosato, após o mesmo ter sido classificado pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer como “provável carcinogênico para Humanos”. Esta classificação é refutada pelas agências governamentais de inúmeros países como Europa, Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália, Nova Zelândia. Todos os países afirmam que o glifosato não está associado à geração de câncer e que é seguro quando utilizado de acordo com as recomendações. No Brasil, a Anvisa segue a mesma posição das demais agências governamentais afirmando que o herbicida não causa câncer.

A manutenção do uso do glifosato no Brasil, com restrições para aplicação, encontra-se em consulta pública no sitio eletrônico da Anvisa, até o dia 06 de junho de 2019.

Categoria: Pesticidas